Governador Wilson Lima entrega termos de quitação de conjuntos habitacionais em Parintins

O governador do Estado, Wilson Lima, participou, na tarde desta quarta-feira (26), em Parintins (distante 369 quilômetros de Manaus), da entrega de 200 termos de quitação de imóveis para moradores dos conjuntos habitacionais Macurany, Vitória-Régia e João Novo. O evento ocorreu no Centro do Idoso Pastor Lessa, no bairro do Itaúna 2.

Wilson Lima destacou que a conquista desses moradores só foi possível graças ao poder de negociação do Estado em viabilizar descontos e efetivar a quitação dos imóveis. “Nossos servidores da Habitação nos últimos meses analisaram caso a caso e realizaram negociações de imóveis que tinham dívidas de mais de R$ 100 mil, conseguindo descontos de até 100% em juros e multas. Agora, esses moradores saem daqui como proprietários de suas casas”, afirmou o governador.

Parintins foi o primeiro dos seis municípios que possuem residenciais financiados pelo Governo do Estado que vão receber a ação de entrega de títulos de quitação de imóveis para mutuários que negociaram e efetivaram os pagamentos com a campanha de recuperação de crédito. Os próximos municípios que terão entrega serão Maués, Humaitá, Itacoatiara, Coari e Manicoré.

O Termo de Quitação é o documento que torna o mutuário proprietário legítimo do imóvel, possibilitando-o ter acesso à regularização como escritura e documentação cartorial do imóvel.

De acordo com a diretora-presidente da Superintendência de Estado de Habitação (Suhab), Keilla Cunha, entregar os títulos de quitação é importante não só para os mutuários, mas para o Estado, que consegue finalizar os financiamentos e, assim, planejar a construção de novos residenciais. ”Regularizar esses residenciais que foram construídos há mais de 30 anos é uma das nossas metas na Habitação”, destacou Keilla.

Os três conjuntos residenciais de Parintins foram financiados pelo Governo do Estado. O Vitória Régia é o mais antigo dos três, foi entregue em 1969 e possui 190 imóveis. O Macurary, inaugurado em 1988, possui 171 residências. Já o João Novo, com 276 unidades habitacionais, foi entregue em 1989.

Otília Lopes – filha de José Edmílson Lopes, que há mais 30 anos lutava para quitar sua divida com o Estado – destacou que esse ato de recebimento do termo era muito gratificante. “Estar aqui junto com o meu pai recebendo o documento que comprova a propriedade da nossa casa é um momento de dever cumprido para ele, que é o chefe da família. Estamos muito felizes”, destacou Otília.

 

Reportagem: Redação Amazônia sem Fronteiras

- PUBLICIDADE -