Garantido vence o 54º Festival Folclórico de Parintins

O Boi Garantido foi o grande vencedor do 54º Festival Folclórico de Parintins com 1.258,4 pontos, conquistando o seu 32º título. O Boi Caprichoso ficou em segundo lugar com 1.257,6 pontos.

Em três noites, o Festival Folclórico de Parintins recebeu 40 mil pessoas no Centro Cultural de Parintins (Bumbódromo), palco das apresentações dos Bois Caprichoso e Garantido, que, nos dias 28, 29 e 30 de junho, levaram à arena mais de 5.000 brincantes por dia e um total de 33 alegorias. Realizado pelo Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), o evento encantou torcedores e visitantes.

Os bumbás Caprichoso e Garantido, que este ano foram reconhecidos pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como Patrimônio Cultural do Brasil, receberam apoio antecipado do Governo do Estado para preparar as três noites de apresentação. As agremiações começaram a receber o recurso, da ordem de R$ 5 milhões, em abril, o que permitiu trabalhar com segurança e apresentar um dos maiores espetáculos folclóricos do país, que atrai anualmente perto de 60 mil turistas.

O governador Wilson Lima destacou a importância do festival para a cultura e a economia de Parintins e do Estado. Ele afirmou que a partir do reconhecimento dos bois-bumbás do Médio e Baixo Amazonas como patrimônios culturais do Brasil, o Festival Folclórico de Parintins inaugura um novo e próspero momento.

“Esse é o grito do povo que tem a cultura na sua veia, que ajuda a falar da preservação da floresta e dos recursos naturais, mas acima de tudo do ser humano, do caboclo, do índio e do negro, do quilombola, do ribeirinho. O reconhecimento como patrimônio cultural do Brasil nos abre portas”, declarou.

Para tornar o festival acessível a todos, foi montado no Bumbódromo, em parceria com a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Seped), um espaço diferenciado, com conforto para usuários de cadeiras de rodas e serviços de audiodescrição e intérprete de Língua Brasileira de Sinais (Libras).

“Já assisti a umas dez edições do festival, e é impressionante a evolução do evento. Acho que todo brasileiro deveria conhecer, porque é um espetáculo único. Achei tudo muito organizado, desde o cadastramento das pessoas com deficiência até a recepção, que foi excelente”, avaliou a aposentada Cleonice Petillo, 47, que se locomove com cadeira de rodas.

O secretário estadual de Cultura, Marcos Apolo Muniz, avaliou de forma positiva o andamento do evento. “Ouvi muitos comentários de que foi o melhor festival dos últimos tempos. Os bois fizeram um espetáculo grandioso, os torcedores corresponderam com animação, a cidade foi tomada por turistas, e o clima era de muita alegria. Foi um trabalho de meses, realizado de forma integrada com várias secretarias e muitos parceiros, então é realmente gratificante perceber que o público prestigiou e aproveitou cada momento”, afirmou.

 

Reportagem: Redação Amazônia sem Fronteiras

- PUBLICIDADE -