Governo federal prepara ‘Plano Dubai” para região amazônica

A  Sepec (Secretaria de Produtividade, Emprego e Competitividade) prepara um novo plano de desenvolvimento para a região amazônica para substituir o modelo Zona Franca de Manaus no futuro.  o programa em estudo pretende estimular cinco ciclos econômico: biofármacos, turismo, defesa, mineração e piscicultura. A projeção é que até 2073, empresas desses ramos que se instalarem na região possam gerar R$ 25 bilhões por ano, valor equivalente aos incentivos fiscais da Zona Franca de Manaus atualmente.

O secretário Carlos Costa apelidou o programa para a Amazônia de “Plano Dubai” numa referência ao emirado que no passado previu o fim de suas reservas de petróleo e gás, e criou um polo turístico e financeiro. A notícia não foi bem recebida por vários deputados estaduais que ocuparam a tribuna da Assembléia Legislativa (ALE), criticando o novo plano de desenvolvimento.

Em texto divulgado à imprensa, o governador do estado do Amazonas Wilson Lima (PSC) afirmou não haver a menor possibilidade de aceitar o fim da Zona Franca de Manaus (ZFM), sobretudo por ser um modelo de desenvolvimento regional garantido pela Constituição e reconhecido como eficaz na diminuição das desigualdades e na preservação da Amazônia. “A Zona Franca é um patrimônio do povo do Amazonas, uma espécie de bem que nos foi entregue em troca de preservação e manutenção do patrimônio ambiental que possuímos. Ao longo do tempo, a população tem feito sua parte e não pode ser punida”, disse o governador.

 

Reportagem: Redação Amazônia sem Fronteiras

- PUBLICIDADE -